Carregando

Empresas esperam que índice de quebra de contratos imobiliários no AM caia para menos de 5% com a Lei dos Distratos

A estimativa foi informada nesta quinta-feira, durante o seminário “Judiciário e o Mercado Imobiliário: Um Diálogo Necessário”, na Esmam.


Manaus (AM) - O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM) estima que a quebra de contratos imobiliários no Estado caia dos atuais 16% para menos de 5% anualmente com a Lei 13.786/2018, conhecida como a Lei dos Distratos, que entrou em vigor no País no final de dezembro do ano passado. A informação é do presidente da entidade, Frank Souza, que abordou o assunto durante a realização do seminário “Judiciário e o Mercado Imobiliário: Um Diálogo Necessário”, nesta quinta-feira (21/3), com a participação do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luis Felipe Salomão, além de outras autoridades do sistema de Justiça e representantes do mercado imobiliário local e nacional.WhatsApp_Image_2019-03-21_at_18.53.47

“Os índices em 2013, no auge da recessão econômica, chegaram a 40% - somente em relação aos distratos -, uma situação que inviabilizou uma série de investimentos e que se perdurou até 2016. Nesse meio tempo, muitas empresas não conseguiram equilibrar seus investimentos. Hoje, estamos com o índice (distratos) em torno de 16% e, com a lei sancionada em 2018, que é o grande marco em relação ao equilíbrio dos valores a serem pagos tanto pelo comprador do imóvel, quanto pela incorporadora em caso de distrato, esse percentual deverá cair para 5% a 3%”, declarou Frank Souza, lembrando que uma das consequências das quebras contratuais foi o fechamento de mais de 30 mil postos de trabalho na construção civil amazonense.WhatsApp_Image_2019-03-21_at_19.06.332

“A quebra de contrato é ruim para todos, inclusive para o equilíbrio de quem está pagando e precisa do seu imóvel. Esperamos que o mercado volte à normalidade e que o crescimento (novos empreendimentos) seja de, no mínimo, 10% daqui para frente”, acrescentou.

Para o desembargador Werson Rêgo, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), que foi um dos palestrantes convidados do seminário, a Lei 13.786/2018 trouxe regras mais claras. “A principal função da nova lei foi trazer segurança jurídica, previsibilidade e mais clareza em relação aos direitos e deveres tanto das incorporadoras quanto dos adquirentes de imóveis”, comentou o magistrado carioca. Ainda segundo ele, o volume nacional de distratos em 2016 chegou ao patamar de 46% dos negócios celebrados no setor imobiliário na época.WhatsApp_Image_2019-03-21_at_18.50.48

“É um número impressionante e que gera um impacto econômico brutal para o mercado imobiliário, inviabilizando não apenas as incorporações, mas também o direito de consumidores que se programaram para adquirir unidades na planta por conta da impossibilidade de se dar andamento ao empreendimento iniciado”, acrescentou o magistrado do TJRJ.40475537433_a976f2f7b2_z

Em relação à nova lei, o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM), Albano Maximo, disse que precisava haver uma estabilidade jurídica maior. “O assunto distrato é ‘filho’ da crise econômica, embora suas consequências tenham sido maiores e a nova Lei está sendo incompreendida; o que ela estabelece são limites para desconto, entre outros dispositivos”, explicou, ao destacar os motivos da realização do seminário na capital.40475537703_963fc9e555_z

STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luis Felipe Salomão, palestrante convidado do painel “Distratos: A Lei 13.786/2018 e a Segurança Jurídica”, disse que a lei ainda é recente e que, no âmbito do Judiciário, as decisões já observam a nova legislação. “As decisões ainda estão começando a ser proferidas para depois ter recurso e chegar ao STJ. Então, ainda demora um pouco. O que a lei procurou fazer foi estabelecer um marco legal, disciplinando a questão da resolução contratual, a forma de devolução, de indenização, mas ainda é muito cedo para se colher resultados positivos ou negativos. Na verdade, no STJ, nós já tínhamos uma jurisprudência consolidada, analisando o Código de Defesa do Consumidor, a Lei de Loteamentos, de Incorporação, o próprio Código Civil e agora isso vai precisar de uma depuração para saber qual o rumo que a jurisprudência vai tomar”, declarou o ministro.46718391274_0a891ef39c_z

Seminário

O “Seminário Judiciário e o Mercado Imobiliário: Um Diálogo Necessário” começou por volta das 15h, no auditório do Centro Administrativo Desembargador José Jesus Ferreira Lopes, prédio anexo ao edifício-sede do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), no bairro do Aleixo, zona Centro-Sul de Manaus. Mais de 490 pessoas se inscreveram gratuitamente no evento, aberto a profissionais e acadêmicos de qualquer área.46718394564_661644ce9b_z

O diretor da Escola Superior da Magistratura do Amazonas (Esmam), desembargador Flávio Pascarelli, destacou a importância do debate em torno da Lei 13.786/2018, sobretudo o que ela trouxe para consumidores e o mercado imobiliário. “As demandas são muito grandes, a lei é nova, tem as interpretações dos seus dispositivos pelo Judiciário e estamos tentando encontrar um caminho para as decisões judiciais”, ressaltou Pascarelli.46718394054_a8266cb3f8_z

O desembargador Elci Simões, ouvidor-geral da corte de Justiça e que presidiu o primeiro painel do seminário – “A Atuação do Judiciário na Incorporação Imobiliária” -, também ressaltou a importância da realização de um evento com esse tema, tendo a participação de membros do sistema de Justiça. “Esse debate é de suma importância também para advogados, defensores públicos, juízes e desembargadores que diariamente atuam em processos judiciais relacionados à incorporação imobiliária. Sabe-se que em torno de 40% dos contratos foram desfeitos por desistência do comprador e isso também levou a uma crise sem precedentes para o setor imobiliário e a construção civil. E é preciso um diálogo”, afirmou.WhatsApp_Image_2019-03-21_at_19.06.333

O evento foi realizado pela Esmam, TJAM, Ademi-AM, Sinduscon-AM, Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e Senai.

 

 

Acesse mais fotos aqui !

 

 

Texto: Acyane do Valle | ESMAM

Colaboração: Assessoria de Imprensa do Sinduscon-AM e Ademi-AMWhatsApp_Image_2019-03-21_at_19.06.292

Fotos: Lucas Lobo | ESMAM

 

 

NÚCLEO DE DIVULGAÇÃO DA ESMAM

Telefone: (92) 2129-6640 | 6608

E-mail:  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

E-mail Imprimir PDF http://www2.tjam.jus.br/esmam/index.php?option=com_content&view=article&id=1941:empresas-esperam-que-indice-de-quebra-de-contratos-imobiliarios-no-am-caia-para-menos-de-5-com-a-lei-dos-distratos&catid=74:2017-02-22-17-46-40